Física Médica

Informações básicas
 
- Denominação do Curso: Física Médica.
- Modalidade: Bacharelado.
- Titulação conferida: Físico Médico.
- Ano/período de início de funcionamento do curso: 2010/1.
- Regime de oferta: Semestral em uma única entrada Anual no início do ano letivo, com oferecimento de discliplinas em regime alternado.
- Turno de oferta: Integral
- Duração do curso: 10 semestres (mínimo: 9 semestres, máximo: 18 semestres)
- Número de vagas oferecidas: 40
- Total de horas: 3005 h
- Total de horas das disciplinas obrigatórias: 1530 h
- Total de horas das disciplinas específica de Física Medica: 555
- Total de horas do módulo seqüencial: 420 h
- Total de horas em atividade complementar: 80 h
- Total de horas em Trabalho de Conclusão de Curso: 120 h
- Total de horas em estágio supervisionado: 300 h
 
Introdução
 
Nas ultimas duas décadas houve uma considerável expansão dos cursos de Física no país. Um exemplo local é a criação do curso de Licenciatura em Física na UFU em 1995. Este fato é resultado da crescente demanda de recursos humanos especializados, principalmente, no ensino de ciências no ensino fundamental e de física no ensino médio. Outros fatores que contribuíram para esta expansão foram: a crescente formação de doutores em Física, em suas diversas áreas, e a saturação, principalmente, dos cargos de Professores nas Instituições de Ensino Superior, a expansão das Universidades Federais, tal como o Campus avançado da UFU em Ituiutaba e o aumento de vagas docentes nas Universidades Federais. Seguindo esta tendência houve nestas décadas um aumento considerável de cursos de Física nas modalidades aplicada ou interdisciplinar. Dentre os quais podem-se citar: Física Médica no Instituto de Física da UNICAMP e no Departamento de Física da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP-Ribeirão Preto, Engenharia Física no Departamento de Física da UFSCar e Física, com ênfase em Física Computacional no Instituto de Física da UFF, Física Computacional e Física Biológica no Instituto de Física de São Carlos na USP – São Carlos. Alem disso, a Física também tem atuado na área de P&D na agronomia; atualmente o Presidente da EMBRAPA é o físico Dr. Silvio Crestana. Verifica-se, deste modo, um crescente aumento das atividades de ensino e pesquisa aplicadas e interdisciplinar. Na área de Física Médica a demanda por profissionais qualificados é devida, principalmente, ao avanço tecnológico crescente dos equipamentos utilizados pelo setor da saúde. Tomografia computadorizada, aplicação de luz Laser no tratamento dermatológico, Medicina Nuclear no tratamento do câncer, entre outros, são exemplos de áreas que necessitam de um profissional qualificado para sua operacionalização e desenvolvimento. Segundo dados de 2007 da Associação Brasileira de Física Médica, o Brasil tem da ordem de 1000 físicos médicos atuantes no mercado de trabalho, principalmente nas grandes capitais do sul-sudeste, o que mostra uma carência muito grande de profissionais nas regiões menos demográficas do Brasil A justificativa para esta proposta é baseada na: a) expansão da tecnologia e da instrumentalização dos hospitais e clínicas especializadas que, em Uberlândia e região, somam mais de 50 unidades, b) crescente necessidade de formação de Físicos com uma visão interdisciplinar, c) expansão dos cargos de Professores nas IES e IFETS e d) promoção de uma formação de Física Aplicada a Físicos com capacidade de absorver e desenvolver novas tecnologias. Além disso, esta nova categoria de graduação irá propiciar ao Programa de Pós-Graduação em Física da UFU a abertura de novas linhas de pesquisa, tanto básica como aplicada na área de Física Médica, seguindo uma recomendação do coordenador de área da Física junto à Capes.
 
 
 
Objetivo do curso
 
O objetivo principal do Curso de Física Médica é formar Físicos Médicos guiados pelas Diretrizes Curriculares acima referidas, capacitados de habilidades, competência e atitudes necessárias para atuação nas áreas de interface da Física e das Ciências Biológicas e da Saúde, básica e / ou aplicada. Para tanto, serão oferecidas uma formação sólida teórica e prática em Física e uma visão geral das áreas de interface, nas quais podem-se citar: química, matemática, biologia, medicina, computação, bioengenharia, medicina e filosofia. O que deve prover uma formação não apenas fundamental, mas o espírito criativo e crítico-científico, sempre em consonância com os preceitos éticos. De caráter interdisciplinar, o curso terá uma grande interface, tanto com cursos de graduação e pós-graduação da UFU, quanto com a área aplicada a Ciências Biológicas e da Saúde. Neste contexto, os objetivos específicos do curso na formação do Físico Médico são:  fornecer uma sólida formação teórica e prática em Física que levem ao efetivo domínio de seus fundamentos nas áreas clássica e moderna; propiciar habilidades abrangentes e instrumentais, teóricas ou práticas, relacionadas à capacidade de entendimento dos princípios de funcionamento e desenvolvimento de novas tecnologias; fornecer conhecimento científico necessário para a interpretação crítica e objetiva da realidade científica, assim como, a capacidade de intervenção nesta realidade; capacitar o estudante em diagnosticar, formular e encaminhar a solução de problemas experimentais e / ou teóricos, reais ou abstratos, fazendo uso dos instrumentos laboratoriais ou métodos matemáticos apropriados; desenvolver um senso Ético profissional respeitando a pluralidade de idéias e as conseqüentes responsabilidades sociais; reconhecer as relações entre a Física e as outras áreas do saber, assim como, o espírito crítico por meio do contato permanente com a sociedade; integrar o ensino de graduação com o de pós-graduação na busca incessante pela atualização do conhecimento científico na área e contribuir para a criação de novas linhas de pesquisa da pós-graduação;
 
Perfil do Físico Médico
 
Atualmente, apesar do Físico Médico, assim como o Físico, não possuírem a regulamentação de sua profissão via um Conselho Regional, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996), nos termos do inciso II do artigo 53, conferiu autonomia às Instituições de Ensino Superior, para fixar os currículos de seus cursos, observadas as diretrizes curriculares gerais pertinentes. Estas diretrizes foram consolidadas pela Comissão de Especialistas de Física da SESu/MEC. O perfil desejado do bacharel em Física Médica será o de um profissional com sólida formação em Física, conhecedor do método científico, com desenvolvimento da atitude científica como hábito para a busca da verdade científica, de maneira ética e com perseverança, preparado para enfrentar novos desafios e buscar soluções de problemas de forma criativa e com iniciativa. De outra forma, o perfil do bacharel em Física Médica, ou Físico-interdisciplinar, é o de utilizar prioritariamente o instrumental (teórico e / ou experimental) da Física em conexão com outras áreas do saber como, por exemplo, Biofísica, Medicina, Biologia, Química, Comunicação, Economia, Administração e incontáveis outros campos. Em quaisquer dessas situações, o físico passa a atuar de forma conjunta e harmônica com especialistas de outras áreas, tais como, químicos, médicos, matemáticos, biólogos, engenheiros e administradores.
 
Endereço para Correspondência:

Coordenação do Curso de Física Médica
Campus Santa Mônica - Bloco 1A - Sala 1A207
Av. João Naves de Ávila - 2121 - CP 593
Uberlândia - MG - CEP 38.400-902

Secretaria do Curso de Física Médica:

Secretária: Dilza Côrtes Ramos
E-mail: O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.
Telefone: (34) 3239.4418
 
Coordenação do Curso de Física Médica:
Coordenador: Prof. Dr. Diego Merigue da Cunha
(34) 3239.4418